Paciente recebe alta humanizada após tratamento de alta complexidade e 50 dias internado no HRT

Foto: Divulgação

Em um momento marcado por emoção e alívio, um paciente que esteve 50 dias internado para um tratamento intensivo contra uma doença de alta complexidade, recebeu alta humanizada no Hospital Regional do Tapajós (HRT), em Itaituba, sudoeste paraense. Após quase dois meses de internação, a equipe assistencial do hospital se reuniu para celebrar a recuperação do paciente e proporcionar uma despedida de forma acolhedora. 

Assim que começou a ficar doente, Aldo Alves buscou várias alternativas para descobrir o problema. Sem um diagnóstico correto, acabou desenvolvendo cirrose, que é uma consequência da leishmaniose. Internado em estado crítico, Aldo necessitava de cuidados intensivos para combater a infecção e restaurar sua saúde. Após uma longa jornada de recuperação, ele expressou sua gratidão.

“Eu já havia tentado de tudo antes de vir para cá. Fui a vários médicos e fiz diversos tratamentos sem sucesso. Hoje, posso dizer que me sinto renascido. Não tenho palavras para agradecer a todos que cuidaram de mim. Vocês são verdadeiros anjos”, disse Aldo, emocionado.

A leishmaniose, uma doença infecciosa transmitida pelo mosquito-palha, exige um tratamento rigoroso e prolongado, especialmente em casos graves. Durante o período de internação, a equipe médica da unidade agiu para garantir um tratamento eficiente e humanizado. Além dos cuidados médicos de alta complexidade, Aldo recebeu apoio psicológico, fisioterápico e nutricional, compondo um atendimento integral e personalizado.

A enfermeira Regina Portilho, que acompanhou o paciente desde sua chegada, compartilhou sua satisfação com o desfecho positivo. “Foi uma jornada difícil, mas cada sorriso e cada pequeno avanço nos davam forças para continuar. Ver ele sair daqui recuperado é a maior recompensa que poderíamos ter”, afirmou Regina.

Para o médico clínico responsável pelo caso, Felipe Alcolumbre, o diagnóstico correto fez toda a diferença no tratamento de Aldo. “A leishmaniose é uma doença que pode ser devastadora se não tratada adequadamente. Conseguimos realizar tratamento mais eficaz. Esse é o resultado de um trabalho em equipe. Ver o paciente recuperado depois de um tratamento humanizado é uma vitória para todos nós”, destacou o médico.

O diretor geral do hospital, Rafael Meskau, também comentou a recuperação do paciente, ressaltando a importância de um atendimento humanizado.

“Nossa missão é oferecer o melhor cuidado possível aos nossos pacientes. Cada paciente é único e merece ser tratado com dignidade e respeito. A alta humanizada é uma forma de reconhecer a força e a resiliência de quem passou por um longo período de tratamento e de agradecer à equipe multidisciplinar pelo empenho e dedicação”, disse o diretor.

O Hospital Regional do Tapajós oferece 153 leitos de internação, distribuídos estrategicamente para atender às diversas necessidades, incluindo leitos clínicos cirúrgicos, médicos, de UTI adulto, pediátrica, neonatal, ginecológicos e obstétricos, além de leitos UCI (Unidade de Cuidados Intermediários) Canguru. Essa infraestrutura robusta reforça o compromisso da instituição em proporcionar atendimento de excelência e cuidados abrangentes à comunidade local.

Texto: Ascom HRT

Por Agência Pará

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *